sexta-feira, 7 de novembro de 2014

Meu Antônio

Quando menino entrou em mim.
Teus olhos ávidos banhou-me em sede.
Na memória da janela dentro da noite
a procurar meu corpo... tão meu...
tão seu...
Lambe meu espelho que trêmulo 
repete em versos teu nome...
An...
    tô...
       nio...
que ecoa em brasas na manhã.
silencioso...
a procurar por mim...
                                a  e s p e r a r . . .
                                         enfim

Vera Melo

[Círculo Poético Xique-Xique - Ricardo Nonato]