quarta-feira, 10 de dezembro de 2014

Gaveta de Letras

O Gaveta de Letras é um projeto idealizado por alunos da Universidade Federal de Pernambuco que tem por objetivo reunir textos literários e materiais de caráter artístico originais de autores/compositores. A ideia é que o Gaveta possa estimular a criação e publicação de originais em um espaço virtual que busca a possibilidade de agregar uma diversidade de estilos, gêneros e linguagens. E, além disso, proporcionar interações sociais e estimular a comunicação através da inteligência coletiva.

Dessa forma, além da criatividade originalmente intrínseca, o projeto estimularia a produção de ideias através do convívio e da percepção de cada um do espaço em que estão inseridos socialmente.



“E eles abriram a gaveta.
O que encontraram? Um mundo inteiro de letras pedindo para sair…
Pequenas, grandes, sufocadas.
Perdidas em meio a poeira do esquecimento ou apenas dos segredos amados.
Aos poucos tomaram coragem, olharam a beirada tentando calcular se a queda seria grande.
Tinham receio.
Mas eles as ajudaram a sair.
Eles disseram ‘”vamos, vocês podem, ousem!”
Elas respiraram nervosas, porém decididas.
As letrinhas de pouquinho em pouquinho
iam pulando para fora do esconderijo.
Meio tímidas elas deixavam a velha gaveta,
em busca de novas histórias, novos mundos, novos leitores…
E os sonhos que criavam, as lembranças que deixavam, eram presentes preciosos.
Elas continuaram.
De uma em uma foram pulando,
Aos poucos formando as palavras que sonhavam em ser…
E os “desengavetadores” limitaram-se a sorrir, pois diante deles um universo se formava.
Um universo de letras infinitas.”


Para participar, envie o seu texto para gavetadeletras@outlook.com

Saiba mais no site http://gavetadeletras.com/

quinta-feira, 20 de novembro de 2014

Dia da Consciência Negra

Gente, apesar do texto não ser meu, eu senti que deveria compartilhá-lo com vocês. 

Acredito que debater temáticas relacionadas aos direitos humanos é essencial no sentido de conscientizar e formar seres humanos que respeitem e reconheçam o próximo como um igual. 

Esse poema carrega sentimentos fortes, que emocionam e nos fazem pensar sobre nossas atitudes, e até mesmo aqueles atos que consideramos pequenos, sem importância, mas que na prática podem estar reforçando preconceitos. Espero que se sintam tocados, tanto quanto eu me senti.  
Preta, eu sei

Eu sei que você não gostava muito de se olhar no espelho
Sei que seu cabelo era um problema
Preta, eu sei
Eu sei que a professora não tocava sua cabeça como a das outras meninas
Eu sei que você não tocava nos seus fios
Eu sei da dor que era desembaraçar
Eu sei também que vieram os apelidos
Eu sei que seu desejo era acabar com aquilo
Eu sei que nenhuma boneca sua se parecia com você
Ou nenhuma estrela de tv
Eu sei que você se achava menos bonita
Eu sei o que você fez pra escapar disso tudo
Você relaxou, não foi? Você alisou...
Você puxou, você esticou
Eu tava lá, preta... eu vi
Você se desenhou branca? Você sonhou com você tendo outro cabelo e outra pele?
Tava imposto, não tinha jeito
Você fingia ser outra pra alcançar respeito
Eu sei preta, que você se viu na outra preta que passou
Com seu cabelo solto, cheio de crespura e amor
Eu sei que você se viu
Eu sei, preta... você tem medo, né?
Você acha que seu cabelo não é digno de respeito
Você tem medo dos olhares e das reações
Mas preta, deixa eu te contar
Beleza maior em você, irá encontrar
Você nunca se sentiu completa com aquelas máscaras, não é verdade?
Você vai viver a beleza de ser você
Vai ver, vai gostar
Vai voltar pra me contar
Vem preta, solta esse cabelo
Olhe suas irmãs e veja quanto espelho
Descobriu seu poder?
Ninguém nunca mais vai te dizer
O que você tem que ser.

Bruna de Paula

A CONSCIÊNCIA É TODO DIA!

sexta-feira, 7 de novembro de 2014

Meu Antônio

Quando menino entrou em mim.
Teus olhos ávidos banhou-me em sede.
Na memória da janela dentro da noite
a procurar meu corpo... tão meu...
tão seu...
Lambe meu espelho que trêmulo 
repete em versos teu nome...
An...
    tô...
       nio...
que ecoa em brasas na manhã.
silencioso...
a procurar por mim...
                                a  e s p e r a r . . .
                                         enfim

Vera Melo

[Círculo Poético Xique-Xique - Ricardo Nonato]

segunda-feira, 27 de outubro de 2014

Mega Sorteio - 9 livros, 3 ganhadores - Resultado

Quem aí está ansioso pra ganhar livros? \o/ Foram 16530 entradas no rafflecopter, pois é, estamos muito contentes com a proporção alcançada pela promoção, e, sem mais delongas, vamos conhecer os 3 ganhadores desse MEGA SORTEIO! *-*

a Rafflecopter giveaway


Primeira ganhadora: Maira Cunha
Segunda ganhadora: Amanda Pampaloni Pizzi
Terceira ganhadora: Suelen Mendes
Parabéns meninas!

Será enviado um email para as 3 ganhadoras. À primeira, será solicitado que escolha seus 3 livros e endereço; e à segunda e à terceira por enquanto será solicitado que enviem apenas o endereço. Quem não responder o email em até 72 horas será desclassificada e sortearemos outro ganhador.

Observação 1: Ao conferir o cumprimento das regras obrigatórias, 3 pessoas foram desclassificadas, por não seguirem ou curtirem todos os blogs e páginas solicitados. Pela foto abaixo vocês acompanham o processo do sorteio.



Observação 2: a regra obrigatória de Seguir o blog Ficcionalmente Real foi desconsiderada, devido a ausência do widget GFC nesse blog no começo da promoção, o que impediu várias pessoas de segui-lo.


Agradeço aos outros blogs e autores que colaboraram para que esse sorteio acontecesse, permitindo assim que juntos fizessemos dele um sucesso, e todos nós agradecemos imensamente aos nossos queridos leitores participantes! :')

quarta-feira, 15 de outubro de 2014

Shots of Recife

O Recife é, ainda, centro de turismo por ele próprio. Como cidade singular cheia de atrativos de belas paisagens, de velhas igrejas, de reminiscências históricas em quase todas as ruas. Cidade elegante sem derrames, mas de grande poesia, onde “uma canção na água e uma bandeira ao vento” lhe emprestam logo uma cor de festa. (Folha da Manhã, Minuto do Porto da Cidade, 29.09.1940)



Os rios abraçando a cidade, provocando pontos, os botes, os rapazes esportivos de calção, as velhas casas caindo. Sob as picaretas, os arranha-céus se levantando, as avenidas se abrindo e por elas correndo os ônibus e os automóveis;

Os homens andam apressados nas ruas, vai chover; todas as mulheres andam lentamente pelas ruas, vai fazer sol;
Os jardins estao desertos

Precisamos povoar os jardins. Sentir o encanto do entardecer envolvido pelo ambiente tranquilo dos parques. Precisamos sobretudo mostrar à criança a beleza dos jardins, a função acolhedora das árvores... (Minuto da Cidade e do Porto do Recife, Folha da Manhã, 03.04.1941)
“... há certas memórias que são como pedaços de gente, em que não podemos tocar sem algum gozo e dor, mistura de que se fazem saudades”. (Machado de Assis)

quinta-feira, 9 de outubro de 2014

De frente com o autor - Andréa Lopes

A entrevista de hoje é com a autora e parceira do blog, Andréa Lopes, escritora do livro "A Cor dos Olhos Teus", que eu resenhei, há alguns dias, confira aqui. O carinho e profissionalismo da autora rendeu uma entrevista super fofa e divertida de ler, nos permitindo conhece-la melhor, e claro, ficar por dentro, do que ela anda aprontando pra nós.


Meu nome é Andréa e o romance A cor dos olhos teus é meu primeiro trabalho publicado. Decidi que publicaria meu livro há uns dois anos e nem mesmo eu tenho certeza de que acreditava nisso. Mas aí está ele e agora eu não tenho nenhuma dúvida de que outros mais virão. Sou ariana, publicitária, casada e mãe de dois meninos maravilhosos. Meu primeiro filho, João, nasceu quando fiz 37 anos. O Vinícius, meu segundo filho, nasceu quando fiz 40 anos e A cor dos olhos teus, meu terceiro filho, aos 44. 

Nunca é tarde para começar. O importante é querer.

Closet Secreto: Como é a sua relação com a arte em geral? 

A. Lopes: Já fui uma “consumidora” mais ativa, indo muito ao teatro, visitando exposições, nunca faltando à Bienal de Arte de SP, por exemplo. Há alguns anos, por falta de tempo e talvez preguiça, fico muito mais focada na literatura, no cinema e na música. Essas coisas me despertam, me emocionam, fazem com que eu me sinta viva.

Closet Secreto: O que te inspirou a começar a escrever? Quais são suas referências e inspirações?

A. Lopes: A literatura sempre foi minha grande paixão, como leitora. Desde muito jovem, os livros me prendiam num mundo paralelo. Escrever foi provavelmente uma consequência, mas nunca pensei em escrever um livro. Foi com Harry Potter que descobri as comunidades de Fan Fictions e comecei a me aventurar com alguns contos, anonimamente e percebi que eles agradavam. Depois continuei com Crepúsculo e finalmente me aventurei a escrever um livro, dois, três.

Closet Secreto: O que você espera que “A Cor dos Olhos Teus” provoque no leitor?

A. Lopes: Diversão. Não se trata de um livro que provoque grandes reflexões sobre a vida ou que trate de algum drama. Ele é divertido, leve, faz o tempo passar rápido, dá vontade de se apaixonar. Ao menos foi o que tentei! Rsrs.

Closet Secreto: Como foi o processo de criação dos personagens da história? Eles têm um pouco de você?

A. Lopes: Talvez cada um deles tenha um pouco, não sei ao certo. Em determinado momento, você já não sabe se está mandando na estória ou se os seus personagens estão. Comecei o livro com uma determinada ideia, mas no decorrer do trabalho, as coisas foram tomando outros rumos e eu já não sabia mais como acabaria. Passei por momentos angustiantes, decidindo o que aconteceria a seguir. É uma obsessão e quando finalmente terminei, passei por um bom período de luto. Chorei, senti saudades, não queria me separar deles. É um processo intenso, desgastante, mas feliz.

Closet Secreto: O que é ser escritor pra você? Qual é o escritor que você mais admira? 

A. Lopes: Eu levei algum tempo para admitir que era uma escritora. Ainda não tenho certeza se me sinto confortável com o título, estou me acostumando. Minha resposta honesta à sua pergunta? Não sei ainda o que isso significa.

Sou uma leitora compulsiva e não consigo eleger um escritor que eu goste mais... Posso citar alguns. Gabriel Garcia Marques e Chico Buarque são autores que provocam emoções estranhas, às vezes incômodas. Seus livros têm ritmo, são quase musicais. Eu gosto muito. Adoro JKRowling e Stephenie Meyer. Digam o que quiserem, elas inventaram personagens e mundos encantadores e que não serão esquecidos. Ah, muita coisa. Se eu falar de tudo que eu gosto...

Closet Secreto: Qual frase de um livro que você leva para a vida? 

A. Lopes: Há! Vocês não vão acreditar, mas Antoine de Saint Exupery é meu autor do coração, com cheiro de infância.

“Tu te tornas eternamente responsável por aquilo que cativas” é o meu lema desde sempre.

Closet Secreto: Qual seu livro de cabeceira?

A. Lopes: Não tenho. Tenho um Kindle de cabeceira e um novo livro praticamente toda semana.

Closet Secreto: Fale um pouco sobre seus outros projetos.

A. Lopes: Eu não consegui me desvencilhar dos personagens do meu romance e na sequencia escrevi uma pequena continuação da vida dos dois, que nem chega a seu um romance, é um conto. Depois escrevi outro livro sobre a estória do Rafael – o ex-namorado da Daniele e outro da Julia (não posso contar quem é ela, senão vão descobrir o final do livro). É quase uma trilogia, mas não é, porque os livros têm pouco em comum entre si, exceto a referência aos personagens de A cor dos olhos teus.

Closet Secreto: Deixe um recadinho para meus leitores do blog. Fale por que deveriam ler o seu livro? Ah, quem sabe alguns deles gostam de escrever assim como eu e sonham em publicar um livro, então seria legal que você falasse algo relacionado a isso também.

A. Lopes: Uma das coisas que mais me impressiona neste mundo da literatura, são os blogs literários, instablogs, Faceblogs e o mundo de jovens leitores e escritores em volta disso. A paixão pelos livros e suas estórias é contagiante. Só quem gosta de ler e escrever entenderá o que eu digo: os livros nos transportam a outros mundos, a outras vidas, a outras emoções. Nada se parece com isso.

Aqueles que sonham em ser escritores, peço que não desistam. Eu realizei um sonho. Um sonho alcançado com muito trabalho, muito esforço, paciência, mas ainda assim um sonho. Sou a prova viva de que eles se realizam, se a gente não desistir. Portanto, corram atrás dos seus sonhos.

Abraços.

terça-feira, 7 de outubro de 2014

Crônicas - A Última Crônica

Ilustração: Samuel Casal

A caminho de casa, entro num botequim da Gávea para tomar um café junto ao balcão. Na realidade estou adiando o momento de escrever.


A perspectiva me assusta. Gostaria de estar inspirado, de coroar com êxito mais um ano nesta busca do pitoresco ou do irrisório no cotidiano de cada um. Eu pretendia apenas recolher da vida diária algo de seu disperso conteúdo humano, fruto da convivência, que a faz mais digna de ser vivida. Visava ao circunstancial, ao episódico. Nesta perseguição do acidental, quer num flagrante de esquina, quer nas palavras de uma criança ou num acidente doméstico, torno-me simples espectador e perco a noção do essencial. Sem mais nada para contar, curvo a cabeça e tomo meu café, enquanto o verso do poeta se repete na lembrança: "assim eu quereria o meu último poema". Não sou poeta e estou sem assunto. Lanço então um último olhar fora de mim, onde vivem os assuntos que merecem uma crônica.

Ao fundo do botequim um casal de pretos acaba de sentar-se, numa das últimas mesas de mármore ao longo da parede de espelhos. A compostura da humildade, na contenção de gestos e palavras, deixa-se acrescentar pela presença de uma negrinha de seus três anos, laço na cabeça, toda arrumadinha no vestido pobre, que se instalou também à mesa: mal ousa balançar as perninhas curtas ou correr os olhos grandes de curiosidade ao redor. Três seres esquivos que compõem em torno à mesa a instituição tradicional da família, célula da sociedade. Vejo, porém, que se preparam para algo mais que matar a fome.

Passo a observá-los. O pai, depois de contar o dinheiro que discretamente retirou do bolso, aborda o garçom, inclinando-se para trás na cadeira, e aponta no balcão um pedaço de bolo sob a redoma. A mãe limita-se a ficar olhando imóvel, vagamente ansiosa, como se aguardasse a aprovação do garçom. Este ouve, concentrado, o pedido do homem e depois se afasta para atendê-lo. A mulher suspira, olhando para os lados, a reassegurar-se da naturalidade de sua presença ali. A meu lado o garçom encaminha a ordem do freguês. O homem atrás do balcão apanha a porção do bolo com a mão, larga-o no pratinho -- um bolo simples, amarelo-escuro, apenas uma pequena fatia triangular.

A negrinha, contida na sua expectativa, olha a garrafa de Coca-Cola e o pratinho que o garçom deixou à sua frente. Por que não começa a comer? Vejo que os três, pai, mãe e filha, obedecem em torno à mesa um discreto ritual. A mãe remexe na bolsa de plástico preto e brilhante, retira qualquer coisa.

O pai se mune de uma caixa de fósforos, e espera. A filha aguarda também, atenta como um animalzinho. Ninguém mais os observa além de mim.

São três velinhas brancas, minúsculas, que a mãe espeta caprichosamente na fatia do bolo. E enquanto ela serve a Coca-Cola, o pai risca o fósforo e acende as velas. Como a um gesto ensaiado, a menininha repousa o queixo no mármore e sopra com força, apagando as chamas. Imediatamente põe-se a bater palmas, muito compenetrada, cantando num balbucio, a que os pais se juntam, discretos: "parabéns pra você, parabéns pra você..." Depois a mãe recolhe as velas, torna a guardá-las na bolsa. A negrinha agarra finalmente o bolo com as duas mãos sôfregas e põe-se a comê-lo. A mulher está olhando para ela com ternura — ajeita-lhe a fitinha no cabelo crespo, limpa o farelo de bolo que lhe cai ao colo. O pai corre os olhos pelo botequim, satisfeito, como a se convencer intimamente do sucesso da celebração. Dá comigo de súbito, a observá-lo, nossos olhos se encontram, ele se perturba, constrangido — vacila, ameaça abaixar a cabeça, mas acaba sustentando o olhar e enfim se abre num sorriso.

Assim eu quereria minha última crônica: que fosse pura como esse sorriso.


Texto extraído do livro "A Companheira de Viagem", Editora do Autor - Rio de Janeiro, 1965, pág. 174.

Fernando Sabino

sábado, 4 de outubro de 2014

Promoção - A Lenda

E, para finalizar essa linda semana em grande estilo, temos mais uma promoção para vocês. Dessa vez, em parceria com o escritor Luiz Amato, que está lançando seu primeiro livro "A Lenda", o qual, acompanhei de perto durante a semana aqui no blog. 


Regras gerais
- O sorteio será feito através do Rafflecopter. Para logar no aplicativo, utilize seu email ou facebook.
- Promoção válida até 25 de outubro de 2014.
- Resultado: até 26 de outubro
- O livro será enviado diretamente pelo autor em até 45 dias;
- Deixe seu e-mail para contato nos comentários;
- Perfis fakes, ou criados apenas para promoções, serão desclassificados;
- O ganhador deve possuir endereço de entrega no Brasil;
- Se por algum motivo o livro voltar, o ganhador arcará com as despesas do reenvio.
- Não nos responsabilizamos por extravio dos correios.
- Iremos conferir se as regras foram cumpridas corretamente.
- Pedimos aos ganhadores que puderem que enviem fotos com os prêmios.

Boa sorte a todos, meus queridos leitores!


a Rafflecopter giveaway

Quem quiser conhecer mais sobre o autor e o livro, leia posts relacionados, aqui.

quinta-feira, 2 de outubro de 2014

De frente com o autor - Luiz Amato

E hoje é dia de entrevista com o Luiz Amato, escritor de "A Lenda", primeiro livro da "Saga A Grande Aventura". O paulista, que afirma ter se apaixonado pela literatura ainda muito jovem, também lança em Novembro, o livro "Lua Cheia, que é mais precisamente, uma coletânea de contos, uma das grandes paixões do autor no âmbito da escrita.


Closet Secreto: O que te inspirou a começar a escrever? E, quais autores são referências para você? 


L. Amato: Acho que o hábito de ler incentiva a tentar a escrita. Sempre gostei de escrever. Dentre todos os amigos e amigas que me ajudam, com opiniões, leituras, etc, quero citar o Sr. Roosevelt Silveira, que me acompanha desde o começo de "A Lenda". São vários os escritores que gosto, dentre eles, James A. Michener, James Clavel e Machado de Assis. 

Closet Secreto: O que você espera que o livro provoque no leitor?


L. Amato: Eu escrevo como se estivesse vendo um filme. Essa é uma das sensações que espero transmitir, trazer o leitor para dentro da história. Também sempre busco despertar a vontade de querer mais e mais a cada página lida. E, que seja uma leitura fácil e gostosa.



Closet Secreto: De onde surgiu a inspiração para escrever “A Lenda”? 


L. Amato: Gosto muito de ficção, aventura, enigmas, fatos que nos fazem pensar. Esse foi o começo para a criação de A Lenda. Uma história que apresentasse todos esses pontos. O tema não foi difícil de imaginar. A criação da humanidade com certeza contemplaria todos os parâmetros pensados, como traria outros mais para a trama.

Closet Secreto: Fale um pouco sobre seus outros projetos.

L. Amato: "A Lenda" é parte da "Série A Grande Aventura". O segundo livro, "A Jornada", já se encontra pronto e o terceiro, "A Revelação", em fase de concepção. Gosto muito de escrever pequenos contos, com poucas páginas. Até novembro deste ano estará disponível em formato impresso o livro Lua Cheia, onde apresento uma coletânea deles. Ainda estou com outros projetos literários, mas sobre esses, por enquando, nada posso revelar.

Espero que tenham curtido a entrevista e aproveitado para conhecer melhor o autor.

Até a próxima.

quarta-feira, 1 de outubro de 2014

A Cor dos Olhos Teus - Andrea Lopes

"Nosso felizes para sempre é uma coleção de momentos especiais"




Encantador. É o adjetivo que encontrei que melhor define 'A Cor dos Olhos Teus'. O livro conta a arrebatadora história de amor entre Alan e Daniele, um lindo médico cirurgião de olhos azuis-violeta, e uma fascinante empresária e fundadora de uma ONG. A narrativa, em primeira pessoa é simples e fluida, trazendo ora o ponto de vista da Daniele, ora o do Alan. A espontaneidade é um ponto bem explorado na escrita da autora, que logo de início consegue captar a atenção do leitor, surpreendendo-o a cada página.

Eu amei o senso de humor e o carisma da Dani, que principalmente nos momentos de tensão, tem altos debates com seu seu subconsciente, a quem ela carinhosamente apelidou de sub. Como é um livro curto, eu o li no campus da faculdade, geralmente entre uma aula e outra, então, foram momentos de fuga da realidade, onde eu me permitia sair da minha rotina turbulenta e me aventurar na ardente paixão vivida pelos protagonistas. O livro foi meio que uma válvula de escape, uma ligeira fuga do que estava acontecendo ao meu redor, como todos os livros geralmente são para mim, mas esse em questão, merece um destaque especial nesse quesito, devido o incrível senso de humor da Daniele que me proporcionou altas risadas. Eu simplesmente me apaixonei por ela. Sério mesmo.


É no litoral sul de Santa Catarina que tudo começa, quando Daniele e sua família decidem passar as férias em um charmoso chalé de praia. Daí, nosso lindo e apaixonante Alan, com seus lindos olhos de duas cores, surge na vida da Dani e ela se vê perdidamente atraída por ele. Então, é nesse meio tempo que eles se entregam de corpo e alma um ao outro, com uma intensidade e vivacidade inenarrável. 

Só que nem tudo são flores, e será preciso dez anos para que eles, de forma totalmente despretenciosa, voltem a se encontrar, em Cadaqués, litoral da Espanha. E, esse reencontro é fundamental para que muitas coisas se esclareçam, é quando eles podem se permitir dar uma segunda chance ao sentimento que nunca os deixou, e principalmente para que seja posto a prova se o que eles sentem é verdadeiramente amor. 

"É pouco provável que exista um presente ou algum futuro para nós. Mas talvez entender melhor o que se passou me trouxesse um pouco de paz de espírito."

A Cor dos Olhos Teus, é um livro que foge ao lugar-comum, ao nos apresentar um romance, que não é nenhum pouco clichê, com protagonistas de personalidades fortes, que sabem o que quer, e onde querem chegar. Um dos pontos que me surpreendeu na escrita da autora é a sua maneira de abordar assuntos que costumam ser considerados tabus, ou pouco explorados em livros, como a descrição das cenas de sexo entre os personagens. 

Eu me deixei seduzir pelo livro, e a partir disso, vivi cada momento com os personagens, imaginando cada cena, lugar, expressões. E é muito bom quando isso acontece. Alan e Daniele, são definitivamente um casal apaixonante, sua história, encontros, descobertas, amadurecimento, mexe com o leitor, e o conquista de uma vez por todas. 

"Eles se olharam, sorriram, e nem mil palavras, nada no mundo poderia traduzir a perfeição daquele momento".


P.S. A autora carinhosamente me enviou um exemplar do livro, e em breve, postarei uma entrevista com ela.

terça-feira, 30 de setembro de 2014

Dragões de Éter - Raphael Draccon

Existem vários corações batendo dentro do peito de um ser humano.

Corações de éter, de neve, de inverno, de gelo. Corações frios em busca de sentimentos que o aquesçam baseados em sentimentos muito mais fáceis de ser cantados do que realmente sentidos. De manifestações humanas que extrapolam o conceito científico e promovem sensações e entendimentos  que aproximam aquele que é criado de seu Criador.

Essas manifestações nascem primeiro da dúvida promovida pela dor e fazem o mundo parecer menor do que é. E fazem também parecer a vida desse tamanho. Entretanto, nenhuma pessoa deveria acreditar que existe um tamanho para a vida, ou um tamanho para o mundo. 

Pois o homem sobrevive através do trabalho, mas vive através do E o sonho nasce de sentimentos que só podem ser despertaria através de uma busca. São sentimentos que nascem de uma resposta para uma dúvida que assola cada criatura oriunda de uma criação. Uma dúvida pela qual alguns homens poderiam morrer. 

E muitos outros poderiam viver.

Mas, quem seria capaz de morrer, ou viver, por uma pergunta e uma resposta ? A resposta: depende da pergunta.

Mas depende muito mais da própria resposta. Uma resposta de uma dúvida ansiada por mortais e por semideuses. Uma resposta procurada por criaturas e por criadores, em diversos locais onde ela não está. 

Uma resposta capaz de mudar o mundo. sonho.

Quantas guerras serão necessárias para que tenhamos um pouco de paz ?



Uma. No fim de todas às contas, será preciso apenas uma. Em longas trincheiras rodeadas por egos humanos.

Dentro de cada um dos nossos mais diferentes corações.

Trecho -  Dragões de Éter - Caçadores de Bruxas - Raphael Draccon


segunda-feira, 29 de setembro de 2014

Tag Literária - Semana A Lenda


E a semana já começa cheia de novidades, então nada melhor que a #SemanaALenda pra estrear a coluna 'Tag Literária' por aqui. 

A Lenda é o primeiro livro da 'Série A Grande Aventura', do autor Luiz Amato que após lançar capítulo por capítulo no Wattpad, decidiu publicar o livro físico devido o grande número de leitores conquistados e as críticas positivas recebidas durante esse tempo. 

No decorrer da semana, trarei mais informações sobre o livro do Luiz Amato e de sua carreira como escritor. 


Sinopse:

Uma aventura de tirar o fôlego. Para você que gosta de ficção, enigmas, suspense e ação, tudo isso em uma leitura fácil e gostosa. Conviva com personagens carismáticos e interessantes. Viaje pelo tempo, nas Cruzadas, século 12, ou em uma masmorra na Inglaterra, no século 15. Aventure-se por cemitérios esquecidos, corredores misteriosos e um laboratório de manipulação genética. Conheça o "Setor de Lendas" da igreja em Roma. Prepare-se, isso é só o começo.

“É fascinante a forma criativa e sem limites que o autor nos leva a participar dessa grande aventura.” Márcia Rios, Blog Apaixonada por Livros.

Fiquem ligados que vem mais por aí..

sábado, 27 de setembro de 2014

Cinema - What if ?


A princípio, pode parecer apenas mais um filme clichê de comédia romântica, porém, "What if?", apesar de enredo simples, é despretenciosamente envolvente, e logo no ínício, você se vê encantado pelo charmoso casal de protagonistas, Wallace (Daniel Radcliffe) e Chantry (Zoe Kazan). Então, você se descobre rindo das conversas mais bizarras e estranhas que um casal de recem amigos poderia ter, sendo assim, é impossível não torcer por eles durante todo o filme.

Wallace, e seu senso de humor, talvez um tanto esquisito, Chantry, e toda a sua beleza e encanto. A empatia entre os dois é indiscutível, e, por conseguinte, surge uma amizade intensa e apaixonante, diga-se de passagem. Compartilhando diversos momentos juntos, vão ao cinema, restaurantes, embebedam-se e dançam em boates, chegam a verem-se nus numa praia,  após uma noite acampando com um casal de amigos, Allan (Adam Driver) e Nicole (Mackenzie Davis), que resolvem lhe pregar uma peça, depois de ambos terem entrado no mar, sem roupas. Aos poucos eles constroem uma fascinante história juntos.


Allan, amigo do casal, rouba a cena inúmeras vezes, devido ao seu incrível senso de humor. Além disso, seu diferente e inusitado casamento com Nicole é uma das cenas mais fofas do filme. 

De forma despretenciosa, você vê a relação entre Wallace e Chandry se fortalecendo, adquirindo significados, onde duas personalidades tão fortes e cativantes se entendem e se completam, também não poderia esquecer de mencionar a indiscutível quimica que rola entre eles.


Com uma trilha sonora leve, excelentes atores e ótimo diretor, "What if?" é um filme sobre as relações modernas, onde cabe a cada personagem construir e descontruir suas relações com o meio de acordo com suas expectativas e anseios. É uma ótima opção para quem procura diversão, com uma boa dose de humor e simplicidade.


Ainda é importante ressaltar que essa comédia romântica canadense é, sem dúvidas, uma ótima oportunidade para ver o Daniel, nosso amado Harry Potter, fora do tão conhecido personagem, desafiando-o como ator a experimentar um personagem sobre uma perspectiva diferente da qual estamos habituados. 

Confira o trailler:

sexta-feira, 26 de setembro de 2014

Mega Sorteio - 9 livros, 3 ganhadores


Genteeee!! É com muita alegria que apresento a vocês o "Mega Sorteio - 9 livros, 3 ganhadores", organizado pela blogueira Carolina Cristina, e em parceria com outros blogs e autores para presentear vocês, nossos queridos leitores com diversos livros. 

Confiram os prêmios, regras e como participar! 

A Colecionadora de Histórias: O Presente – Cecelia Ahern (sinopse)
Closet Secreto: Rangers, A ordem dos arqueiros (Ruínas de Gorlan: Livro I) – John Flanagan (sinopse)
Miss Thay: Eterna, o som do amor – Bianca Souza (sinopse) *nacional
Ficcionalmente Real: Esconderijo Secreto – Isadora Mello (sinopse) *nacional
Carol Hermanas: Cheiro de Sonho – Carolina Hermanas (sinopse) *nacional
Victor Reads: O Bisturi de Ouro – Chaiene Santos (sinopse) *nacional
Sonho de Leitora: Fama – Tilly Bagshawe (sinopse)
Entre Livros e Personagens: Albúm de Casamento – Nora Roberts (sinopse)
Autora Camila Silvestre: Alma Menina – Camila Silvestre (sinopse) *nacional


Como funciona o sorteio?
São 9 livros que serão divididos entre três ganhadores. O primeiro sorteado escolhe 3 livros entre os 9, o segundo sorteado escolhe 3 livros entre os 6 que sobrarem, e o terceiro sorteado fica com os 3 últimos livros que sobrarem.

Regras obrigatórias para participar:
Seguir todos os blogs participantes no GFC e curtir todas as fanpages dos blogs, autores e livros. São as 22 primeiras regras que aparecem no aplicativo do Rafflecopter. Depois que você cumprir todas elas, aparecerão as regras extras. Quanto mais regras você cumprir, mais pontos terá e mais chances de ganhar também!

Informações Gerais:
O sorteio será feito através do Rafflecopter. Para logar no aplicativo, utilize seu email ou facebook.
Período do sorteio: de 26 de setembro até 26 de outubro
Resultado: até 29 de outubro
Todos os livros nacionais irão autografados!
Serão sorteados três ganhadores diferentes.
Os ganhadores receberão um email do blog A Colecionadora de Histórias (com as opções de livros disponíveis). Esse email deverá ser respondido em até 72 horas, caso contrário, o sorteio será refeito.
Cada blog está responsável por enviar o próprio livro, ou seja, os ganhadores receberão seus respectivos livros separadamente e em datas diferentes.
Todos os blogs/autores têm o prazo de 45 dias para o envio dos livros, após a divulgação do resultado.
Os ganhadores devem ter endereço de entrega no Brasil.
Não nos responsabilizamos por extravio dos correios.
Se por algum motivo o livro voltar, o ganhador arcará com as despesas do reenvio.
Spammers e perfis de promoção serão automaticamente desclassificados.
Iremos conferir se as regras foram cumpridas corretamente.

Pedimos aos ganhadores que puderem que enviem fotos com os prêmios.

Boa sorte meus queridos leitores!

a Rafflecopter giveaway

sábado, 20 de setembro de 2014

Intercâmbio - Nova Zelândia

Quem diz que a melhor fase da vida é a infância, é porque nunca fez intercambio.

Os melhores momentos da sua vida. Simples assim. Não há palavras que possam descrever como é a sensação de fazer um intercâmbio, juro que já tentei expressar isso das mais diversas maneiras, mas como costumo brincar, o segredo é sentir, é se entregar e viver o momento. É claro que fazer intercâmbio não é só flores, tem a parte burocrática, às obrigações, no meu caso, às regras de convivência com minha 'host family', mas isso são apenas detalhes.

Eu fiz intercâmbio com 16 aninhos, pois é, muito jovem, de certa forma, inexperiente, mas em nenhum momento eu pensei em voltar atrás, mesmo naqueles momentos conhecidos como 'homesick', ou seja, saudades de casa, da família, mesmo quando eu tinha meus minutos, ou tardes, ou noites, de garoto introspectivo, que eu me questionava o que diabos eu estava fazendo sozinho do outro lado do mundo, e a saudade batia, e às lágrimas desciam, em nenhum momento eu quis desistir porque eu sabia que aqueles meses não voltariam mais, que independentemente do que acontecesse dali pra frente, eu poderia dizer que dei o melhor de mim, e com muito prazer.

Ninguém disse que seria fácil. Apenas que valeria a tentativa.

A Nova Zelândia foi uma junção de sonhos que se tornou realidade, foi o MEU momento, e tudo o que eu vivi naquele país que até então eu praticamente desconhecia, eu vou levar pra sempre comigo. Os aprendizados, às amizades, a convivência com outra cultura, a experiência adquirida, cada minímo detalhe conta, e você está constantemente aprendendo.

Um intercâmbio é basicamente um rolar de águas na sua vida, o antes e o depois, eu particularmente, não sou o mesmo depois de morar seis meses do outro lado do mundo, e eu tenho certeza que às mudanças são todas positivas, enriquecedoras. Como eu falei em uma entrevista no dia em que voltei para o Brasil, "eu cresci, e um novo horizonte se abriu pra mim, eu passei a enxergar às pessoas e o mundo de uma outra maneira".

P.s. se quiserem ver mais fotos, é só clicar aqui.









quarta-feira, 17 de setembro de 2014

Eu Me Chamo Antônio - Pedro Gabriel

Primeiro, encanto. Depois, desencanto. Por fim, cada um pro seu canto.

Do guardanapo para o livro, "Eu Me Chamo Antônio" é fruto do sucesso imediato da página de mesmo nome, no facebook, que comporta os rabiscos em guardanapo feitos pelo Pedro Gabriel, na companhia dos muitos chopes pela madrugada, no bar, Café Lamas.


Com uma simplicidade notável, Antônio comenta através de frases e rabiscos, sobre os encontros e desencontros da vida, que propiciam desde momentos extremamente alegres, a momentos de fraqueza e insegurança. E, é a partir desta mistura de sentimentos intensos e às vezes tão diferentes que ele controi uma história simples, encantadora e apaixonante. Um livro que exala poesia.


Ao mesmo tempo, uma levesa sútil, e uma linguaguem prática mostram se presentes na escrita de Pedro/Antônio. E você vai respirando poesia do início ao fim, tentando inalar a essência à cada página virada, dando importância até mesmo aos traços que suavemente fazem as palavras dançarem no papel. Então, sem perceber, você vai se perdendo em seus próprios pensamentos. 


Cada página deste livro é uma obra de arte, e você não quer deixar passar nenhum detalhe. 






segunda-feira, 15 de setembro de 2014

Crônicas - Exercício inútil

Fala Sério, Meu! Que Danado Se Passa Na Cabeça de candidato a qualquer coisa em véspera de eleição? Será qu’ele pensa que se azucrinar o juízo do eleitor, o eleitor vota nele? Só vendo. Mas também pode ser vingança: “Como esses sacanas não querem votar em mim, vão ver o que é bom pra tosse”.

Essa semana, tava na cama depois do almoço, gripado, noite mal dormida, quando passou a porra do carro de som de um candidato por baixo do meu travesseiro. Passou, não. Parou. E ficou lá, repetindo nome e número do desgraçado, candidato a deputado estadual, um ilustre desconhecido (não conheço nenhum desconhecido ilustre, mas não sei por quê, quando a gente escreve “desconhecido”, o “ilustre” sempre se oferece para antecede-lo).
                
E as convenções partidárias, hein? Teve um pertinho daqui de casa no final de junho. Na redondeza, dezenas de hospitais (inclusive o da Restauração) e escolas, além de milhares de residências. “Vamos incomodar! Fogos! Muitos! De estouro, claro. Uma salva de 15 em 15 minutos, durante todo o dia. E quando o candidato chegar, no final da tarde, a apoteose: dez minutes de ininterrupto bombardeio.” E pra infernizar ainda mais a vida do bairro, “vamos estacionar centenas de ônibus nas cercanias. Nossa convenção será inesquecível.” E foi.
                
Como se vê, é fácil sacar o que se passa na cabeça dessa gente. Outro dia, dei-me à pachorra de contar o número de painéis de um mesmo candidato num trecho do canteiro central da Agamenon: 46. Isso, 46 painéis, um colado no outro. É ilegal. As pessoas tinham que descer a calçada e andar no leito da avenida. “E daí?”
                
Candidatos (e marqueteiros) repetem bobagens como se fossem verdades. Atribuem a Joseph Goebbels, ministro a propaganda de Hitler (como se vê, inspiram-se em gente de melhor qualidade), a seguinte frase: “De tanto repetir uma mentira, ela acaba se transformando em verdade.” Só que Goebbels nunca disse essa merda. E sim: “Uma grande mentira sempre tem certa credibilidade.” Portanto, podem repetir um milhão de vezes que borboleta é ave que ninguém vai acreditar. Todo mundo sabe que “borboleta só é ave na cabeça de mulher”, como diz o frevo de Capiba.
                
Daqui a 26 dias, acaba a propaganda eleitoral e o Recife volta à sonoplastia de sempre: carrocinhas e bicicletas vendendo CD pirata, locutores de lojas gritando nas calçadas, música ao vivo em bares localizados em bairros residenciais, caixas de som nas malas dos carros e carrocerias de picapes, alto-falantes em igrejas evangélicas e, claro, carro de som anunciando a mais nova porcaria que inaugurou ao lado da sua casa, com preços de lançamento.
                
Aproveite!

Joca Souza Leão

(2010)